15 anos de tradição jurídica!
Atendimento pelo novo WhatsApp
Entre em contato e agende sua consulta com Drª Denise Reis
novo número de WhatsApp .... Anote ........ (21) 2481-1417
A aplicação das leis é mais importante que sua elaboração..
Consulte sempre um(a) advogado(a).. é essencial para a JUSTIÇA!

Notícias Jurídicas

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acessar informações do seu processo:

Matéria Publicadas


Reforma Trabalhista - Principais Mudanças - 20/11/2017

BREVES COMENTÁRIOS SOBRE AS MUDANÇAS INSERIDAS PELA REFORMA TRABALHISTA
 
 
Umas das discussões mais polêmicas e que, segundo alguns especialistas, deverá provocar uma série de conflitos é a questão da prevalência do negociado sobre o legislado.
 
O texto prevê que a negociação entre empresas e trabalhadores prevalecerá sobre a lei em pontos como parcelamento das férias, flexibilização da jornada, participação nos lucros e resultados, intervalo, plano de cargos e salários, banco de horas, remuneração por produtividade e trabalho remoto.
 
A novidade principal, visará permitir que ‘direitos trabalhistas previstos na legislação atual, não apenas na CLT, pois há leis esparsas, possam ser substituídos ou até suprimidos mediante negociação coletiva entre empresas e sindicatos’.
 
Diversos pontos, agora, serão negociados diretamente entre empresas e trabalhadores. Entre eles, o parcelamento das férias.
 
De acordo com o texto, empresa e trabalhador deverão negociar a divisão das férias em até três períodos. “Pela nova lei, um dos períodos não poderá ser inferior a 14 dias corridos e os demais não poderão ser inferiores a cinco dias corridos”, avisa a advogada.
 
Pontos importantes da nova lei trabalhista, segundo os especialistas
 
Direitos garantidos: Não podem ser alterados e nem negociados os direitos relativos ao pagamento do FGTS, o recebimento do salário-mínimo e 13.º salário, seguro-desemprego, repouso semanal remunerado e as normas de saúde, higiene e segurança do trabalho previstas em lei ou em normas regulamentadoras do Ministério do Trabalho, além das regras sobre a aposentadoria, salário-família, licença-maternidade com a duração mínima de cento e vinte dias, licença-paternidade, entre outras.
 
Férias: Continua sendo de 30 dias anuais; entretanto, se houver acordo entre trabalhadores e empresários, pode ser dividida em até três vezes, desde que um dos períodos seja de 14 dias corridos e, os demais, cinco dias corridos.
 
Tempo de percurso no transporte e horas trabalhadas: Pela Reforma Trabalhista, o tempo gasto pelo trabalhador no percurso para se chegar ao local de trabalho ou no retorno para casa não poderá mais ser computado como parte da jornada de trabalho, independentemente do meio de transporte usado, mesmo o local de trabalho sendo de difícil acesso.
 
Intervalo de almoço: O intervalo dentro da jornada de trabalho poderá ser negociado, desde que tenha pelo menos 30 minutos. Se o empregador não conceder intervalo mínimo para almoço ou for parcial, a indenização será de 50% do valor da hora normal de trabalho apenas sobre o tempo não concedido em vez de todo o tempo de intervalo devido.
 
Contribuição sindical: A contribuição sindical não será mais obrigatória.
 
Registro em Carteira de Trabalho: A nova regra prevê o aumento da multa por empregado não registrado pelo empresário para R$ 3 mil. Nos casos de microempresa e empresa de pequeno porte a multa será de R$ 800 por funcionário.
 
Ações na Justiça: A nova lei altera algumas regras para o ingresso de ação na Justiça do Trabalho. Por exemplo, limita valor a ser pleiteado pelo trabalhador, estabelecendo teto para alguns pedidos de indenização. Ofensas graves cometidas por empregadores devem ser de, no máximo, 50 vezes o último salário contratual de quem foi ofendido. O trabalhador também poderá ter que indenizar a empresa em caso de pedidos de má-fé ou negados pelo Judiciário.
 
Demissão consensual: Trabalhadores e empresas poderão optar pela demissão em comum acordo. Por esse novo mecanismo, a multa de 40% do FGTS será reduzida para 20%, e o aviso prévio ficará restrito a 15 dias. Além disso, o trabalhador pode sacar somente 80% do Fundo de Garantia, mas perde o direito de receber o seguro-desemprego.
Pequeno panorama da nova estrutura com advento da nova reforma trabalhista.
 
Fiquem por dentro e mantenham-se atualizados quanto a seus direitos!
 
 
Autor: Drª Denise Reis

Contate-nos

Av. Padre Roser  Nº 42  SALA 512 - Edifício Punto Offices
-  Vila da Penha
 -  Rio de Janeiro / RJ
-  CEP: 21220-560
+55 (21) 2481-1417+55 (21) 991137530
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  48213